DESTAQUESPOLÍTICA

‘Gabinete fantasma’ no governo Renan Filho tem carros de luxo alugados a quase R$10 mil

“O Gabinete da Vice-Governadoria nem existe, mas precisam de carros para transportar não sei o que. Esse servidor precisa vir aqui nesta casa, para explicar para que servem esses veículos e esses servidores. E a cantilena continua: ‘Era uma casa muito engraçada, não tinha teto, não tinha nada’”, protestou Davi Maia.

Não bastasse o governador de Alagoas, Renan Filho (MDB), continuar pagando salários de até R$ 6,6 mil e nomeando servidores com média salarial de R$ 3,6 mil para o gabinete de seu ex-vice-governador Luciano Barbosa (MDB), que renunciou para assumir o cargo de prefeito de Arapiraca, um dos beneficiados pela nomeação não demorou sequer duas semanas e já solicitou a locação de dois veículos de luxo, ao custo mensal de R$ 9.689,94.

Sob o argumento de que tal gasto seria necessário “em virtude do desempenho das atividades operacionais da Vice-Governadoria, nos trabalhos técnico administrativos no intuito de otimizar as ações governamentais”, o superintendente de Planejamento, Orçamento, Finanças e Contabilidade do gabinete desativado em janeiro deste ano de 2021, José Carlos Gomes, solicitou as locações de dois veículos, um de modelo City ou Virtus, e outro utilitário de modelo S-10, L200 ou Amarok.

A solicitação foi feita em 26 de maio, 14 dias depois de José Carlos Gomes ter sido nomeado. E no último dia 07 de junho, a Agência de Modernização de Gestão de Processos (Amgesp) informou que o pleito já foi atendido em processo neste ano em que nem sede mais tem a Vice-Governadoria.

O deputado Davi Maia (DEM-AL), que denunciou as nomeações dos servidores fantasma, solicitou a convocação do servidor do para dar explicações ao parlamento sobre o “gabinete fantasma”.

“O Gabinete da Vice-Governadoria nem existe, mas precisam de carros para transportar não sei o que. Esse servidor precisa vir aqui nesta casa, para explicar para que servem esses veículos e esses servidores. E a cantilena continua: ‘Era uma casa muito engraçada, não tinha teto, não tinha nada’”, protestou Davi Maia.

Veja parte do anexo do processo nº E:01201.0000000025/2021, que tramitou na Amgesp, com a solicitação das locações:

‘Governador acumulando função de vice’

Quando questionado sobre as nomeações para o gabinete fantasma de um vice que não mais existe, o Gabinete Civil do governador Renan Filho voltou a afirmar ao Diário do Poder que não se pronunciará sobre o caso.

Porém, na tarde da última quarta(16), a Secretaria de Comunicação de Alagoas publicou a seguinte nota, justificando os gastos com a Vice-Governadoria e afirmando que a ausência de vice-governador não anula a função finalística do órgão, nem sua função estratégica, que passou a ser acumulada pelo próprio governador.

Veja a nota da Secom de Alagoas:

A Governadoria é um órgão da administração direta do Estado, constituída pelo Gabinete do Governador, Vice-Governadoria e Gabinete Civil. Como estrutura da administração direta , a Vice-Governadoria é pautada por três linhas de atuação previstas na Lei Delegada: gestão estratégica, gestão de estado e gestão finalística.

Dentro da gestão finalística é papel da Vice-Governadoria a articulação política e social e a interiorização. Desta forma, o fato de não haver vice-governador no exercício do cargo não anula a função finalística do órgão, nem sua função estratégica, que passou a ser acumulada pelo chefe do Executivo.

Todas as funções administrativas da estrutura continuam ativas e os seus servidores foram redistribuídos para outros órgãos do Estado. O prédio foi entregue por uma questão de economia e redução de despesas.

Diário do Poder

Botão Voltar ao topo