DESTAQUESNACIONALPOLICIAL

Jovem é assassinada por amiga que queria descobrir se era psicopata

Outras duas pessoas participaram do crime e declaram ser satanistas durante depoimentos à Polícia

Três jovens foram presos suspeitos de assassinar a estudante Ariane Bárbara Laureano de Oliveira, 18 anos, em Goiânia, Goiás. O trio era amigo da vítima e, segundo as investigações, cometeram o crime para descobrir se uma das investigadas era psicopata

Ariane Bárbara Laureano desapareceu no dia 24 de agosto, após sair de casa para lanchar com amigas. O corpo foi encontrado em uma mata seis dias depois. 

Conforme informações da Polícia Civil, o homicídio foi motivado por uma das suspeitas, identificada como Raíssa Nunes Borges, de 19 anos, que tinha o objetivo de matar alguém e descobrir se era uma psicopata. Segundo informações da polícia ao portal Uol, ela não apresentou arrependimento após o crime.

Os outros dois investigados, Jeferson Cavalcante Rodrigues, 22 anos, e Freya Jacomini Carneiro Matos, de 18 anos, declararam ser satanistas durante os depoimentos aos investigadores. 

Freya Jacomini Carneiro Matos e Jeferson Cavalcante Rodrigues
Legenda: Em depoimentos aos investigadores, os outros dois suspeitos declararam ser satanistas Foto: reprodução

Segundo o delegado responsável pelo caso, Marcos de Oliveira Gomes, em entrevista ao G1, o trio criou uma lista de possíveis vítimas, escolhendo a estudante sem uma  motivação específica. “Eles não escolheram a Ariane por um motivo específico. Poderia ser ela ou outros dois nomes que saíram numa lista. Ela foi escolhida porque era pequena e, caso reagisse no momento do homicídio, eles conseguiriam realizar o crime”, explicou o titular.

Ainda conforme o agente, a vítima foi vista em um veículo logo após enviar um áudio para a família, no dia 24 de agosto, dizendo que algumas amigas lhe chamaram para lanchar. O carro foi identificado e, após investigação, constatou-se que ser o mesmo veículo usado para abandonar o corpo. “Identificamos o motorista e cumprimos mandado de prisão temporária. De imediato, ele confessou o crime e nos apresentou a faca usada, ainda com resquícios de sangue“, esclareceu o delegado.

O porta-malas do veículo estava forrado com saco de lixo e foi usado para transportar o corpo da jovem até ao local de mata.

Música foi usada como sinal para matar

A investigação descobriu que Ariane Bárbara Laureano foi morta ainda no dia 24 de agosto. O crime aconteceu seguindo a ordem planejada pelos suspeitos, cometido no interior do carro.

Conforme o delegado, os jovens escolheram uma música com a temática de homicídio como sinal para atacar a estudante. Ao ser tocada, um deles estalou os dedos, e os outros dois iniciaram a agressão. 

“Na ocasião que o motorista estalou os dedos, uma das presas não conseguiu enforcar a vítima. Então, a pessoa que estava no banco da frente pulou para o banco de trás e enforcou Ariane até ela desmaiar”, detalhou o delegado.

Em seguida, uma das suspeitas desferiu um golpe de faca contra a vítima, ainda com o carro em movimento. Logo após, outra pessoa deu um segundo golpe.

Via Diário do Nordeste

Botão Voltar ao topo