DESTAQUESREGIONAL

Esposa de radialista morre aos 26 anos em Tamboril

Faleceu na madrugada desta terça-feira (18), aos 26 anos, Francisca Jucilane Silva Farias, conhecida como “Jucilane Confeitaria”. Esposa do radialista Antônio Filho, ela faleceu no Hospital Municipal de Tamboril, quando estava sendo preparada para ser encaminhada à Sobral.


Reconhecida pela sua habilidade em preparar bolos e outros doces, residiu e trabalhou em Santa Quitéria por muitos anos, com seu esposo e filha, até que em 2021 decidiram se mudar para Tamboril, onde manteve sua profissão, tendo até publicado nas redes sociais, horas antes, a produção de alguns de seus produtos.

Conforme o comunicador, a morte de Jucilane teria sido provocada por edema pulmonar (água no pulmão). Ela vinha apresentando um pouco de cansaço, mas nada que aparentasse ser grave, inclusive, na noite anterior, esteve na praça principal da cidade, por ocasião dos festejos do padroeiro e estava bem.


Nas primeiras horas desta terça-feira(18), começou a passar mal, sendo atendida no Hospital Municipal e no momento que seria transferida para Sobral, sofreu uma parada cardiorrespiratória e não resistiu, pegando a todos de surpresa e causando imensa comoção entre familiares e amigos em Tamboril e Santa Quitéria.

Este foi o segundo caso de morte repentina de mulher jovem no município de Tamboril. Na última quinta-feira(13), Adriana Ferreira Lima, 35 anos, que estava na residência de seu pai conhecido por “Chico Ledra”, na localidade Cotovelo, Distrito Açudinho, sentiu uma forte dor no peito, desmaiou e morreu logo em seguida, não havendo tempo nem ao menos de socorrê-la ao hospital.

https://blogger.googleusercontent.com/img/a/AVvXsEjtGdicE9ixquaGn2ILp9RTz3HQzgmgABBRo0JAka6wK0QwTkoDfIe8w7iYHXtyK3CO1FT8VAABN2SYAh904ja5KM2C0TYQxMzh0klpMym0HcVweFGAp3DNhqKpVPMwMlNLfTApZ7v67sENuwJu12bsI8zEHNOilwpTiNXZ86nIc9bkdgrM2fVOMWe4BA=s750
Adriana Ferreira Lima, 35 anos, morreu após sofrer mal súbito. Foto: Ipaporanga Notícias

Os casos de mal súbito em pessoas de várias idades no Ceará, Brasil e mundo, principalmente jovens, têm se tornado, corriqueiros. Com a palavra, os “especialistas”.

Com informações do AVSQ

Edição: Denes Lima

Botão Voltar ao topo